sábado, 28 de dezembro de 2013

Meditação Diária, Narcóticos Anônimos


28 de dezembro de 2013
Depressão

"Não estamos mais lutando contra o medo, a raiva, a culpa, a autopiedade ou depressão."
Texto Básico, p. 29


Muitos de nós como adictos ficamos deprimidos de vez em quando. Quando nos sentimos deprimidos, podemos ficar tentados a nos isolar. No entanto, se fazemos isso, nossa depressão pode se transformar em desespero. Não podemos nos dar ao luxo de deixar a depressão nos levar a usar.

Em vez disso, tentamos manter a rotina de nossas vidas. Damos prioridade máxima à frequência de reuniões e ao contato com nosso padrinho. Partilhar com outros nossos sentimentos nos ajuda a tomar conhecimento de que não somos os únicos que ficamos deprimidos em recuperação. Trabalhar com recém-chegado pode fazer maravilhas para o nosso estado mental. E o mais importante, oração e meditação nos ajudam a obter a força de que necessitamos para sobreviver à depressão.

Praticamos a aceitação e lembramos que sentimentos como depressão passarão com o tempo. Em vez de lutar com nossos sentimentos, nós os aceitamos e pedimos força para passar por eles.

Só por Hoje: Eu aceito que meus sentimentos de depressão não durarão para sempre. Falarei abertamente sobre meus sentimentos com meu padrinho ou outra pessoa que compreenda.

Fonte e crédito: http://csa-saopaulo.org/

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Casagrande e Seus Demônios

Levei uma noite inteira preso à leitura do livro "CASAGRANDE E SEUS DEMÔNIOS", escrito pelo próprio Casagrande e por Gilvan Ribeiro. O livro foi muito bem estruturado e, evidentemente, não contempla tudo o que Casagrande passou e viveu durante seu longo estágio no mundo da drogadição.

Ele, Casagrande, no curso da leitura, menciona o que denomino de "Bad Trip", como "surto psicótico".

É muito interessante conhecer um pouco do que ele vivenciou, em termos de "má viagem", no meu entendimento.

Pincei um trecho para enfatizar os efeitos que a droga é capaz de produzir na cabeça de um ser humano e, dessa forma, ajudando os não usuários em querer passar por experiência semelhante.

Usar é perder, todo adicto, que conhece o NA, sabe disso. Agora reproduzo o trecho, sui generis`, que me causou impacto:

“Eu tinha visões horríveis, tudo parecia muito real. Estava assustado pra caralho, via demônios pelo apartamento inteiro. Eram maiores do que eu, com dois ou três metros de altura. Alguns apareciam no quarto, outros na sala, e até uma imagem de mulher surgiu refletida na geladeira.

Aí comecei a ficar com medo de ir à cozinha, já não comia, nem me sentava no sofá, porque eu os via em todos os lugares, todos os dias, constantemente. Não falavam ou me ameaçavam, mas a simples presença deles era aterrorizante. Isso durou um mês, sei lá, um mês e meio”, conta o ídolo.

O pavor de se deparar com aqueles seres dos infernos o levava a desviar o olhar e a evitar qualquer tipo de contato. Por isso não chegou a guardar as feições de todas as criaturas. Em sua mente ficou registrada apenas a imagem de um deles: “O formato era de homem, só que muito maior. Os olhos, vermelhos, brilhavam. Tinha as orelhas grandes, o nariz também, a boca com os dentes caninos saindo pra fora”, descreve.

Atualmente, libertado das profundezas, Casagrande procura dar uma explicação racional para a loucura daqueles dias. “Eu entrei em surto psicótico pelo uso exagerado de drogas e privação de sono. Também foi uma coisa induzida pelas pesquisas que eu estava fazendo, na época, sobre demônios”, justifica.

(...)

Mas não eram somente os demônios que infernizavam a vida de nosso herói. Lembram-se daquela mulher que apareceu na porta da geladeira? Pois é, ele começou a cismar que fosse uma espécie de alma penada. Uma jovem morta naquele apartamento, antes de sua mudança para lá, que agora buscava algum tipo de redenção. “Vi uma imagem muito nítida dessa mulher e fiquei gelado dos pés à cabeça. Era uma garota, de 20, 22 anos, por aí, e eu não sabia se era real ou alucinação. A impressão foi de que ela estava atrás de mim, às minhas costas, com o reflexo na geladeira.”

Enquanto vivia esse pesadelo interminável, não parava de se drogar. A porção de heroína já havia acabado fazia algum tempo. Mas ele aplicava cocaína nas veias, cheirava pó, bebia tequila, tomava remédio para dormir, tudo junto. Com esse nível de alteração de consciência, a paranoia atingiu níveis cada vez mais alarmantes. Assim, convenceu-se de que o corpo daquela mulher encontrava-se escondido em algum lugar dentro do apartamento. E entregava-se à procura insana pelo suposto cadáver. Sempre com a companhia indesejável dos demônios. Em alguns momentos, pensou em pedir socorro. Mas não sabia a quem recorrer naquela situação tão vulnerável. Evidentemente, deixara de trabalhar como comentarista de futebol da TV Globo durante esse período. Não reunia a menor condição de sair de casa, quanto mais de botar a cara no ar em rede nacional. Fugia dos amigos, porque tinha certeza de que não seria compreendido. O mundo externo lhe parecia ameaçador, embora, ali, estivesse mergulhado nas profundezas do inferno. Se bobeasse, poderia ser internado como doido varrido. Fechado naquele universo sombrio, estava às raias da loucura mesmo."

Meditação do Dia - Narcóticos Anônimos

www.seveneightlife.com
Sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Deus poderia devolver-nos a sanidade
"O processo de vir a acreditar devolve-nos à sanidade. A força para agir vem dessa crença." 
Texto Básico, p. 29 

Agora que finalmente admitimos a nossa insanidade e vimos exemplos dela em todas as suas manifestações, podemos sentir-nos tentados a acreditar que estamos destinados a repetir esse comportamento para o resto das nossas vidas. Tal como achávamos que não havia esperança para a nossa adicção activa e que nunca ficaríamos limpos, poderemos agora acreditar que não há, tão-pouco, esperança para o nosso tipo particular de insanidade. Não é bem assim! Sabemos que devemos a nossa libertação da adicção ativa à graça de um Deus amantíssimo. Se o nosso Poder Superior pode fazer um tal milagre como o de nos livrar da obsessão de usar drogas, certamente que este Poder também poderá livrar-nos da nossa insanidade em qualquer das suas formas. Se tivermos dúvidas, basta pensarmos na sanidade que já foi reposta nas nossas vidas. Talvez nos tenhamos deixado levar pelos nossos cartões de crédito, mas a sanidade regressa quando admitimos a derrota e os destruímos. Talvez nos tenhamos sentido sozinhos e queiramos ir ter com os nossos amigos do passado. Em vez disso, visitarmos o nosso padrinho ou madrinha constitui um ato de sanidade. A insanidade da nossa adicção dilui-se no passado à medida que começamos a experimentar momentos de sanidade na nossa recuperação. A nossa crença num Poder superior a nós mesmos cresce à medida que compreendemos que, mesmo, o nosso tipo de insanidade não é nada perante este Poder.

Só por hoje: Agradeço ao Deus da minha concepção por cada ato de sanidade na minha vida, pois sei que constituem indicadores de que estou a ser devolvido à sanidade.

Fonte:NA-PT

Análise psicodinâmica dos três primeiros passos do Programa de 12 Passos de Narcóticos Anônimos


Miria Benincasa
Universidade do Contestado – Concórdia/SC (Brasil)

Resumo
O objetivo deste trabalho foi realizar uma leitura psicodinâmica dos três primeiros passos do programa de 12 passos de Narcóticos Anônimos. Os passos foram abordado isoladamente e foram apresentados seus benefícios através de uma analogia entre este programa e o processo psicodinâmico de desenvolvimento psicossexual e social. Os benefícios que o adicto adquire durante a participação do programa foram descritos aqui como recursos egoicos e maturidade emocional e social que vêm sendo adquiridos durante o desenvolvimento nos primeiros anos de vida. Este estudo se propõe a oferecer aos psicólogos que trabalham com o fenômeno da drogadição e possuem orientação psicodinâmica, alternativas teóricas para intervenção em modelos de tratamento que incluam o programa de 12 passos.

Palavras chave: Drogadição; Narcóticos Anônimos; Programa de 12 Passos

Psychodinamic analysis of first three steps of 12 Steps of Narcotics Anonymous Program
Abstract
The objective of this work was to carry through a psychodinamic reading of three first steps of 12 Steps of Narcotics Anonymous Program. The steps have been approached isolated and their benefits has been presented separately by an analogy between this program and the psychodinamic process of psychosexual and social development. The benefits that adicted acquires during the participation of the program have been described here as egoicos resources and emotional and social maturity that has been acquired during the development in the first years of life. The proposal of this study is to offer the psychologists who work with the drogadiction phenomenon and have psychodinamic orientation, theoretical alternatives for the intervention in treatment models that include the program of 12 steps.

Key Words: Drug adiction; Narcotics Anonymous; 12 Steps program

Analise psicodinámica de los tres primeros pasos del programa de 12 pasos de Narcóticos Anónimos
Resumen
El objecto de este trabajo fué hacer uma lectura psicodinámica de los tres primeros pasos del programa de 12 pasos de Narcóticos Anónimos. Los pasos fueram abordados isoladamente y tuvieron presentados sus beneficios a través de una analogia entre este programa y el proceso psicodinámico de desarroyo psicosexual y social. Los beneficios que el adicto adquiere durante la participación del programa dueram descritos aqui como recursos egoicos y maturidad emocional y social que vienen siendo adqueridos durante el desarroyo em los primeros años de vida. Este estúdio propone a los psicólogos que trabajan com el fenómeno de la drogadicción y poseen orientacción psicodinámica, alternativas teoricas para intervención em modelos de tratamiento que incluyan el programa de 12 pasos.

Palavras clave: Drogadicción, Narcóticos Anónimos, Programa de 12 Pasos

Apresentação

Este trabalho tem como objetivo realizar uma leitura dos três primeiros passos do programa de 12 passos de Narcóticos Anônimos a partir de um raciocínio psicodinâmico. Esta proposta foi baseada no interesse de investigar o processo pelo qual o drogadito se beneficia deste programa segundo uma coerência psicodinâmica, ou seja, transformando a linguagem original numa linguagem comum ao universo psicológico.

A leitura deste trabalho deverá ser iniciada a partir dos seguintes princípios: 1 - A análise realizada aqui considera que o drogadito esteja entrando em contato com o programa pela primeira vez, 2 - como a proposta do Programa de NA é manter este processo de recuperação por toda a vida, é sugerida uma leitura que corresponda á imagem de uma espiral, onde a cada recomeço do programa, novos recursos e mais eficientes vão sendo adquiridos, possibilitando, assim, um progressivo amadurecimento egóico.

Para uma melhor compreensão dos argumentos psicodinâmicos e da evolução de cada Passo, foram inseridas frases contidas no livro-base de Narcóticos Anônimos (1983) para ratificar e clarificar a idéia psicodinâmica que se expõe. Estas citações serão literais e serão identificadas pelas páginas no decorrer do texto. Inicia-se o estudo com a contextualização do quadro da drogadição através da exposição de algumas característica peculiares a este fenômeno seguindo a exposição de cada um dos Passos propostos pelo Programa.

Introdução

O adicto possui uma debilidade egóica que o torna incapaz de suportar a depressão, tendo que recorrer a mecanismos maníacos para sua sobrevivência. No entanto, "a reação maníaca só pode ter êxito com a ajuda das drogas, porque para a produção da mania se requer certa fortaleza egóica" que o adicto não tem (ROSENFELD, 1978). A repetição deste movimento com conseqüência satisfatória (êxito), ou seja, a manutenção de um estado maníaco e anulação (temporária) da angústia, promove uma debilidade cada vez maior do ego, pois seu repertório de defesa contra a angustia e a depressão, que já era pobre, vai se tornando cada vez mais ineficiente quando comparado ao recurso defensivo externo (droga). Este maior empobrecimento ocorre pelo fato do recurso droga provocar alívio imediato, não exigir adiamento da gratificação, capacidade de espera e elaboração de soluções mais eficientes, ou seja, não possibilita que o ego faça uso de seus recursos mais sofisticados. O que é estimulado, portanto, é o uso de "mecanismos de defesa de baixo nível" em detrimento a "mecanismos de defesa de alto nível" descritos por Otto Kernberg (1976). Os últimos vão ficando cada vez mais escassos na economia psíquica, promovendo um funcionamento cada vez mais regredido. É acionado, portanto, um modo de funcionamento primitivo (processo primário), a linguagem (entendida a linguagem como o modo de expressão no mundo) utilizada é a do princípio do prazer que, com a sistematização e progressão dos episódios tóxicos vai se tornando característica de personalidade, modo de funcionamento imperante. O processo secundário de funcionamento vai se tornando cada vez mais difícil de ser resgatado.

Percebe-se, portanto, que este processo, é um processo de escolha narcísica, ou seja, a escolha dele por um "ele melhor". Exemplificando este argumento com a literatura de NA (1983): "A parte espiritual de nossa doença é o total egocentrismo" (pág. 22). É a escolha do ego (por identificação projetiva) pelo ego ideal numa tentativa mágica de incorporação do ego ideal através de um objeto ideal (droga). Toma a si mesmo, seu próprio corpo (ego ideal) como objeto de amor (FREUD, 1914). Não há relação de amor com objetos externos. O objeto externo é usado para um gozo narcísico. Vemos identidade com esta leitura na literatura de NA (1983) onde se diz: "Nossa doença nos isolava das pessoas, a não ser quando estávamos obtendo, usando e arranjando maneiras de obter mais" (pág. 4), ou seja, o outro (como no bebê), era visto como instrumento de uso para gratificação. A "relação" com o outro era um meio e não um fim em si mesma. (Poderíamos aqui, pensar o porquê desta regressão a um modo de funcionamento tão primitivo, recorrendo à teoria de relações de objeto em Melanie Klein (1945), onde, na relação com o outro o bebê se frustra e, mediante a incapacidade de lidar com esta frustração, regride a um funcionamento já conhecido onde a gratificação predominava. No entanto, refletir sobre a causalidade deste fenômeno nos distanciaria da proposta inicial. Deixemos, então estas reflexões para um outro momento).  Leia mais

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Narcóticos Anônimos - Meditação Diária


Quinta-feira, 26 de Dezembro de 2013

Poder infalível

À medida que aprendemos a confiar neste Poder, começamos a superar o nosso medo da vida.
Texto Básico, p. 26

Somos pessoas acostumadas a colocar todos os nossos ovos numa só cesta. Muitos de nós tínhamos uma droga de escolha. Confiávamos nela para poder passar cada dia e tornar a vida suportável. Éramos fiéis àquela droga; de fato nos submeteríamos a ela sem reservas. E aí ela se virou contra nós. Fomos traídos pela única coisa da qual sempre dependemos, e essa traição nos deixou desamparados.

Agora que encontramos as salas de recuperação, podemos ficar tentados a confiar em outro ser humano para satisfazer nossas necessidades. Podemos esperar isto de nosso padrinho, nosso namorado ou de nosso melhor amigo. Porém, depender de seres humanos é arriscado. Carecem de perfeição. Podem estar de férias, dormindo ou de mau-humor quando precisamos deles.

Nossa dependência deve se apoiar em um Poder maior do que nós. Nenhuma força humana pode restaurar nossa sanidade, cuidar de nossa vontade e nossas vidas, ou estar completamente disponível e amorosa sempre que tivermos necessidade. Depositamos nossa confiança no Deus de nossa compreensão, porque apenas esse Poder jamais nos faltará.

Só por hoje eu depositarei minha confiança em um Poder maior do que eu mesmo, pois só esse Poder jamais me decepcionará.


Créditos: http://www.nasp.org.br/meditacao-diaria
                http://www.csa-saopaulo.org/

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Meditação Diária - Alcoólicos Anônimos - RGSP

Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013.
É Natal !

O impulso para ganho pessoal... que trouxe tanta dor no passado, cai por terra se aderirmos ao princípio anonimato.

A própria palavra anonimato significa falta de nome, mas há um princípio maior sendo praticado no anonimato do Programa de NA: o princípio da abnegação. 

Quando admitimos nossa impotência para controlar nossas próprias vidas, damos o primeiro passo para longe da teimosia e o primeiro passo para nos aproximar da abnegação. 

Quanto menos tentarmos conduzir nossas vidas de acordo com nossa própria vontade, mais encontraremos o poder e a orientação que um dia tanto fizeram falta em nossas vidas.

Mas o princípio da abnegação nos dá muito mais do que a sensação de melhora... nos ajuda a viver melhor. Nossas idéias de como o mundo deveria ser dirigido começaram a ser menos importantes, e paramos de tentar impor nossa vontade a todos e a tudo à nossa volta. E quando abandonamos nossa pretensão de “saber tudo” e começamos a reconhecer o valor da experiência de outras pessoas, passamos a reconhecer o valor da experiência de outras pessoas, passamos a tratá-las com respeito. 

Os interesses dos outros se tornam tão importantes para nós como os do grupo, mais do que só o que é melhor para nós. Começamos a viver uma vida que é maior do que nós, que é mais do que só nós, nosso nome, nosso ego... Começamos a viver o princípio do anonimato.

Só por hoje

Deus, por favor, liberte-me da minha teimosia. Ajude-me a compreender o princípio do anonimato; ajude-me a viver abnegadamente.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Feliz Natal !

Organiza o Natal

Carlos Drummond de Andrade


Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal. É possível que, com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e 2 meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que, pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal, abolindo-se a era civil, com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom.

Então nos amaremos e nos desejaremos felicidades ininterruptamente, de manhã à noite, de uma rua a outra, de continente a continente, de cortina de ferro à cortina de nylon — sem cortinas. Governo e oposição, neutros, super e subdesenvolvidos, marcianos, bichos, plantas entrarão em regime de fraternidade. Os objetos se impregnarão de espírito natalino, e veremos o desenho animado, reino da crueldade, transposto para o reino do amor: a máquina de lavar roupa abraçada ao flamboyant, núpcias da flauta e do ovo, a betoneira com o sagüi ou com o vestido de baile. E o supra-realismo, justificado espiritualmente, será uma chave para o mundo.

Completado o ciclo histórico, os bens serão repartidos por si mesmos entre nossos irmãos, isto é, com todos os viventes e elementos da terra, água, ar e alma. Não haverá mais cartas de cobrança, de descompostura nem de suicídio. O correio só transportará correspondência gentil, de preferência postais de Chagall, em que noivos e burrinhos circulam na atmosfera, pastando flores; toda pintura, inclusive o borrão, estará a serviço do entendimento afetuoso. A crítica de arte se dissolverá jovialmente, a menos que prefira tomar a forma de um sininho cristalino, a badalar sem erudição nem pretensão, celebrando o Advento.

A poesia escrita se identificará com o perfume das moitas antes do amanhecer, despojando-se do uso do som. Para que livros? perguntará um anjo e, sorrindo, mostrará a terra impressa com as tintas do sol e das galáxias, aberta à maneira de um livro.

A música permanecerá a mesma, tal qual Palestrina e Mozart a deixaram; equívocos e divertimentos musicais serão arquivados, sem humilhação para ninguém.

Com economia para os povos desaparecerão suavemente classes armadas e semi-armadas, repartições arrecadadoras, polícia e fiscais de toda espécie. Uma palavra será descoberta no dicionário: paz.

O trabalho deixará de ser imposição para constituir o sentido natural da vida, sob a jurisdição desses incansáveis trabalhadores, que são os lírios do campo. Salário de cada um: a alegria que tiver merecido. Nem juntas de conciliação nem tribunais de justiça, pois tudo estará conciliado na ordem do amor.

Todo mundo se rirá do dinheiro e das arcas que o guardavam, e que passarão a depósito de doces, para visitas. Haverá dois jardins para cada habitante, um exterior, outro interior, comunicando-se por um atalho invisível.

A morte não será procurada nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã.

O mundo será administrado exclusivamente pelas crianças, e elas farão o que bem entenderem das restantes instituições caducas, a Universidade inclusive.

E será Natal para sempre.

Ah! Seria ótimo se os sonhos do poeta se transformassem em realidade.


Texto extraído do livro "Cadeira de Balanço", Livraria José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1972, pág. 52.

Conheça o autor e sua obra visitando "Biografias".

SPH ! Legião Urbana - Só Por Hoje




Meditação do Dia - Narcóticos Anônimos

Terça-feira, 24 DE DEZEMBRO DE 2013

O grupo


"O 12º Passo do nosso programa pessoal diz também que transmitimos a mensagem ao adicto que ainda sofre. ...O grupo é o veículo mais poderoso que temos para transmitir a mensagem."
 Texto Básico, p. 77 

Quando chegamos pela primeira vez às reuniões de Narcóticos Anônimos, encontramos adictos em recuperação. Sabemos que são adictos porque falam sobre as mesmas experiências e os mesmos sentimentos que nós tivemos. Sabemos que estão em recuperação devido à sua serenidade - eles têm algo que nós queremos. Sentimos esperança quando outros adictos partilham a sua recuperação connosco em reuniões de NA. A atmosfera de recuperação atrai-nos às reuniões. Essa atmosfera é criada quando os membros do grupo se comprometem a trabalhar juntos. Tentamos melhorar a atmosfera de recuperação ajudando a preparar a sala de reunião, dando as boas-vindas aos recém-chegados, e falando com outros adictos depois da reunião. Estas demonstrações do nosso compromisso tornam as nossas reuniões atractivas e ajudam os nossos grupos a partilharem a sua recuperação. Partilhar a experiência em reuniões é uma forma de nos ajudarmos uns aos outros, e é por vezes o alicerce para o nosso sentimento de pertença. Identificamo-nos com outros adictos, por isso confiamos na sua mensagem de esperança. Muitos de nós não teriam permanecido em Narcóticos Anônimos sem esse sentimento de pertença e de esperança. Quando partilhamos em reuniões de grupo, apoiamos a nossa recuperação pessoal ao mesmo tempo que ajudamos outros.

Só por hoje: Vou estender a mão a outro adicto no meu grupo e partilhar a minha recuperação.

Fonte e Crédito NA-Portugal
Foto do Blog -> josianneamend.blogspot.com

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Reflexões Diárias - Alcoólícos Anônimos


Segunda-feira, 23 de Dezembro de 2013.

RECUPERAÇÃO, UNIDADE, SERVIÇO

Nosso Décimo Segundo Passo – transmitir a mensagem – é o serviço básico que a irmandade de A.A. faz: este é o nosso principal objetivo e a principal razão de nossa existência.
A LINGUAGEM DO CORAÇÃO, p. 160

Agradeço a Deus por aqueles que vieram antes de mim, aqueles que me falaram para não esquecer dos Três Legados: Recuperação, Unidade, Serviço. No meu Grupo base, os Três Legados estão descritos num letreiro que diz: “Tome um banco de três pernas, tente equilibrá-lo somente em uma perna ou em duas. Nossos Três Legados devem manter-se intactos. Na Recuperação nós conseguimos ficar sóbrios juntos; na Unidade trabalhamos juntos para o bem de nossos Passos e Tradições; e través do Serviço nós damos aos outros, de graça o que nos foi dado”.

Uma das principais dádivas em minha vida tem sido saber que eu não terei mensagem para dar a menos que me recupere em Unidade com os princípios de A.A.
REFLEXÕES DIÁRIAS, p. 366

Meditações Diárias de Narcóticos Anônimos


Segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Novas ideias

"Reavaliamos as nossas velhas ideias, a fim de conhecermos as novas ideias que levam uma nova maneira de viver."
Texto Básico, p. 102


Aprender a viver um novo modo de vida pode ser difícil. Algumas vezes, quando a caminhada fica especialmente dura, ficamos tentados a seguir o caminho mais fácil e viver regido por nossas velhas ideias novamente. Esquecemos que nossas velhas ideias estavam nos matando. Para seguir uma nova maneira de viver, precisamos abrir nossas mentes a novas ideias.

Trabalhar os passos, assistir às reuniões, partilhar com os outros, confiar em um padrinho, essas sugestões podem encontrar nossa resistência e até mesmo nossa rebeldia. OP programa de NA requer esforço, mas cada passo do programa nos traz mais perto de ser as pessoas que verdadeiramente queremos ser. Queremos mudar, crescer e nos tornar alguma coisa a mais do que somos hoje. Para fazer isso, abrimos nossas mentes, experimentamos as novas ideias que encontramos em NA e aprendemos a viver um novo modo de vida.

Só por Hoje: Eu abrirei minha mente para novas ideias e aprenderei a viver minha vida de uma nova maneira.

domingo, 22 de dezembro de 2013

NAS ORAÇÕES DE NATAL, POR FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER



Rememorando o Natal, lembramo-nos de que Jesus é o Suprimento Divino à Necessidade Humana.

Para o Sofrimento, é o Consolo;
Para a Aflição, é a Esperança;
Para a Tristeza, é o Bom Ânimo;
Para o Desespero, é a Fé Viva;
Para o Desequilíbrio, é o Reajuste;
Para o Orgulho, é a Humildade;
Para a Violência, é a Tolerância;
Para a Vaidade, é a Singeleza;
Para a Ofensa, é a Compreensão;
Para a discórdia, é a Paz;
Para o egoísmo, é a Renúncia;
Para a ambição, é o Sacrifício;
Para a Ignorância, é o Esclarecimento;
Para a Inconformação, é a Serenidade; 
Para a Dor, é a Paciência;
Para a Angústia, é o Bálsamo;
Para a Ilusão, é a Verdade;
Para a Morte, é a Ressurreição.


Se nos propomos, assim, aceitar o Cristo por Mestre e Senhor de nossos caminhos, é imprescindível recordar que o seu Apostolado não veio para os sãos e, sim, para os antigos doentes da Terra, entre os quais nos alistamos...

Buscando, pois, acompanhá-lo e servi-lo, façamos de nosso coração uma luz que possa inflamar-se ao toque de seu infinito amor, cada dia, a fim de que nossa tarefa ilumine com Ele a milenária estrada de nossas experiências, expulsando as sombras de nossos velhos enganos e despertando-nos o espírito para a glória
imperecível da Vida Eterna.

FONTE E CRÉDITO: Do livro "Os Dois Maiores Amores" - Francisco C. Xavier - Autores Diversos

Agenda Cristã de uma codependente


Recebi um e-mail de uma codependente, que me foi endereçado à título de publicação. Vivemos só por hoje, mas o Natal se anuncia a todo instante e não podemos ficar alheios às mensagens recebidas. O espírito natalino me conduz a bons sentimentos, bons propósitos. É uma época em que até os presidiários, aqueles de bom comportamento, são indultados. É uma época de pedir perdão e de perdoar, além dos mais variados tipos de pedidos e de estímulos que o mundo capitalista, com seus aparelhos ideológicos, sua filosofia do lucro, sua sofisticada inteligência midiática, nos torna pródigos. Seria ótimo que o espírito do  natalino nos acompanhasse todos os dias de cada ano que está por vir. Essa época, também, muito me aproxima do meu PS, portanto, entro no ritmo da fé e posto a mensagem que me foi sugerida, embora não tenha compreendido bem o final da mesma:
"A renúncia será um privilégio para você.
O sofrimento glorificará sua vida.
A prova dilatará seus poderes.
O trabalho constituirá título de confiança em seu caminho.
O sacrifício sublimará seus impulsos.
A enfermidade do corpo será remédio salutar para a sua alma.
A calúnia lhe honrará a tarefa.
A perseguição será motivo para que você abençoe a muitos.
A angústia purificará suas esperanças.
O mal convocará seu espírito à prática do bem.
O ódio desafiar-lhe-á o coração aos testemunhos de amor.
A Terra, com os seus contrastes e renovações incessantes, 
representará bendita escola de aprimoramento individual, 
em cujas lições purificadoras deixará você o egoísmo para sempre esmagado".

Para finalizar quero agradecer a mensagem enviada e declarar que as portas deste blog estão abertas para quem quiser postar seus textos, seus questionamentos, problematizações, opiniões e qualquer outra manifestação que tenha a ver com tudo o que envolve dependência química e co-dependência e tudo o mais que guardar correspondência, ainda que de modo subjetivo. Aqui a boa vontade sentou praça, a mente aberta alargou-se e a honestidade é uma mão estendida. Não somos censores de nada. Temos nossas opiniões, o que não significa dizer que não aceitamos as opiniões divergentes. Enfim, este blog é dialético!

A fonte fornecida foi "AGENDA CRISTÃ, 39, FCXavier, FEB.
 

Alcoólicos Anônimos, Reflexão do dia


Domingo, 22 de Dezembro de 2013

PRINCÍPIOS, NÃO PERSONALIDADES

A maneira como nossos "valorosos" alcoólicos, algumas vezes, tentam julgar o "menos valorosos", é bastante cômica se refletirmos sobre o fato,. Imagine se você puser, um alcoólico julgando o outro.
 ALCOÓLICOS ANÔNIMOS PG. 37

     
Quem sou eu para julgar alguém? Quando entrei na Irmandade pela primeira vez, descobri que todos gostavam de mim. Afinal A.A. estava me ajudando a ter uma melhor maneira de vida sem o álcool. A realidade era que eu não poderia gostar de todos nem eles de mim. A medida que fui crescendo na Irmandade, aprendi a amar todos, apenas ouvindo o que eles tinham a dizer. Essa pessoa lá ou esta aqui pode ser aquela que Deus escolheu para me dar a mensagem de que eu preciso para o dia de hoje. Devo sempre lembrar-me de colocar os princípios acima das personalidades.

Meditação Diária, Narcóticos Anônimos



Domingo, 22 de dezembro de 2013

Uma nova maneira de viver

"Todos nós enfrentamos o mesmo dilema quando chegamos no fim da linha e descobrimos que não conseguimos mais funcionar como ser humano, com ou sem drogas... ou continuar; da melhor maneira possível, até o amargo fim, (prisão, instituição ou morte), ou encontrar uma nova maneira de viver."
Texto Básico, pág. 95

Qual foi o pior aspecto de nossa adicção ativa? Para muitos de nós não era a possibilidade de que poderíamos morrer algum dia de nossa doença. A pior parte era a morte em vida que experimentávamos todo dia, a interminável falta de sentido da vida. Nós nos sentíamos fantasmas ambulantes, e não partes vivas e amorosas do mundo à nossa volta.

Em recuperação, viemos a acreditar que estamos aqui por uma razão: nos amarmos e amarmos aos outros. Trabalhando os Doze Passos, aprendemos a nos aceitar. Com esta auto aceitação vem o respeito próprio. Vimos que tudo que fazemos tem um efeito nos outros, somos parte das vidas daqueles à nossa volta, e eles da nossa. Começamos a confiar em outras pessoas e tomar conhecimento de nossa responsabilidade para com elas.

Em recuperação, voltamos à vida. Mantemos nossas novas vidas contribuindo para o bem estar dos outros e buscando cada dia fazer isso melhor... é aí que o Décimo, o Décimo-Primeiro e o Décimo-Segundo Passos entram. Os dias de viver como um fantasma passaram, mas só enquanto desejamos ativamente ser saudáveis, amorosos, partes contribuintes em nossas próprias vidas e nas vidas dos outros à nossa volta.

Só por Hoje: Descobri uma nova maneira de viver. Hoje, procurarei servir aos outros com amor e amar a mim mesmo.

FONTE: CSASP

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Reflexões Diárias de Alcoólicos Anônimos

SEXTA-FEIRA, 20 DEZEMBRO DE 2013

 AS RECOMPENSAS DE DAR


Isto de fato é dar, nada pedindo. Ele não espera qualquer paga ou amor por parte de seu companheiro. E então descobre que, pelo paradoxo divino contido nesta maneira de dar, já recebeu a sua própria recompensa, não importando se seu irmão foi ajudado ou não.
Os Doze Passos e as Doze Tradições, p. 97

Pela experiência com o trabalho do Décimo Segundo Passo, vim a compreender as recompensas de dar, nada pedindo de volta. No início eu esperava a recuperação dos outros, mas logo aprendi que isto não acontece. Uma vez tendo alcançado a humildade para aceitar que cada abordagem não vai resultar em um sucesso, então estou aberto para receber as recompensas de dar, sem o egoísmo do retorno.

Meditação do dia:
“A verdadeira ambição não é aquilo que achávamos que era. Ela é o profundo desejo de viver de maneira útil e caminhar humildemente, sob a graça de Deus.” 
(Na Opinião do Bill, p.46)


Reuniões Online - AA e NA


Existem inúmeros grupos de AA e de NA que oferecem reuniões online. Podemos indicar alguns:
Alcoólicos Anônimos do Brasil : http://www.aabr.com.br/ver.php?id=18&secao=19 ;


Alcoólicos Anônimos de Pernambuco: http://www.areapeaa.org.br/novosite/salas-de-reunioes/

Narcóticos Anônimos - GENA : http://www.reuniaovirtual.net/

Reuniões - sem chat - em diversas cidades, visite: http://www.na.org.br/cadastros/busca.php

Termo de Responsabilidade
Quando qualquer um, seja onde for, estender a mão pedindo ajuda, quero que a mão de A. A. esteja sempre ali. E por isso, eu sou responsável.


Meditação Diária - Narcóticos Anônimos

Superando a auto-obsessão

Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

Ao vivermos os passos, começamos a abrir mão da auto-obsessão

Muito de nós viemos ao programa convencidos de que nossos sentimentos, nossas vontades e necessidades eram da maior importância para todos. A vida toda tínhamos praticado um comportamento de egoísmo e egocentrismo e acreditávamos que essa seria a única maneira de viver.

O egocentrismo não cessa só porque paramos de usar drogas. Talvez, ao assistirmos nossa primeira reunião de NA, fiquemos certos de que todos na sala estão nos observando, nos julgando e nos condenando. Podemos exigir que nosso padrinho esteja à mão para nos ouvir na hora que quisermos... e ele, por sua vez, pode, gentilmente sugerir que o mundo não gira em torno de nós. Quanto mais insistirmos em ser o centro do universo, menos satisfeitos estaremos com nossos amigos, nosso padrinho e tudo o mais.

A liberdade da auto-obsessão pode ser encontrada através da concentração maior nas necessidades dos outros do que nas nossas. Quando os outros tiverem problemas, podemos oferecer ajuda.

Quando recém-chegados necessitarem de carona para as reuniões, podemos levá-los. Quando os amigos estiverem se sentindo sós, podemos passar um tempo com eles. Quando nos sentirmos não amados, mas sim ignorados, podemos oferecer o amor e a atenção de que necessitamos a outra pessoa. Doando, nós recebemos muito mais em retorno – e essa é uma promessa em que podemos confiar.

Só por hoje: Partilharei o mundo com os outros, sabendo que eles são tão importantes como eu sou. Fortificarei meu espírito me doando.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Mudança de mentalidades e cultura

Uma notícia no Jornal de Noticias (20/10/2011) com o título “IDT (Instituo da Droga e Toxicodependência) esvaziado do tratamento da droga” despertou a minha atenção. Segundo o secretario de Estado Adjunto da Saúde, Leal da Costa, citado pela Lusa, afirmou “…no âmbito da administração central aprovada pelo Governo, o Instituto da Droga e da Toxicodependência vai ser transformado numa direcção-geral: Serviço de Intervenção dos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD).”

Independentemente do que é que estas afirmações possam representar na prática, sabemos que a palavra da maioria dos políticos é duvidosa, o motivo de júbilo da minha parte, é só e simplesmente, pela mudança “gigantesca” (transformação) no conceito Toxicodependência versus Comportamentos Adictivos e Dependências. Aparentemente, parece haver vontade política em mudar a mentalidade e a abordagem, bem-vindo SICAD.

Desde 1993 procuro compreender, sem sucesso, a abordagem institucionalizada do tratamento da Toxicodependência em Portugal. Por exemplo, ainda existem profissionais a fazer psicanálise a indivíduos alcoólicos e a dependentes de drogas no activo, existem algumas instituições cuja abordagem ao tratamento é retrógrada, psicólogos e psiquiatras sem treino na área das Dependências, e alguns médicos passam receitas de medicamentos adictivos (por ex. benzodiazepinas) para indivíduos dependentes, sem que se faça um diagnóstico sobre a doença, inevitavelmente, este tipo de procedimento acaba por agravar ainda mais o quadro da dependência.

Paralelamente, ao meu fracasso, procuro alterar esta mentalidade generalizada (cultura), na prevenção e tratamento designada “Toxicodependência” visto considerar que termo desactualizado, retrógrado, repleto de estigma e falso moralismo. Recuso a utilizar esta terminologia nas consultas, nas acções de formação, na participação em workshops, etc. A utilização generalizada e institucionalizada do conceito “Toxicodependência” visa culpar, castigar, humilhar, envergonhar, o toxicodependente e a família, afim de que o individuo drogado se cure do seu problema moral - comportamento desviante. Não consigo enquadrar o comportamento desviante, no tratamento clínico da doença da Dependência (Adicção às Substâncias Psicoactivas Ilícitas, incluindo o álcool, e/ou as Ilícitas). Na minha opinião, comportamento desviante, possui uma carga negativa de falso moralismo, apoiado na culpa e na vergonha do drogado marginal (cultura). Na nossa sociedade, drogados são marginais e delinquentes, aqueles indivíduos, com problemas de drogas, que vestem fato e gravata já recebem tratamento diferente.

Segundo o Dr. Alan Marlatt devemos aplicar no tratamento das Dependências “A compaixão pragmática em vez do idealismo moralista.”

Ao contrário da Toxicodependência e do drogado/bêbado, na doença Adicção não existem culpados. Podemos fazer a analogia com as diabetes. O indivíduo diabético é culpado pela sua doença? Não. A dependência das substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, e as ilícitas é uma doença. Não são as pessoas que escolhem ser dependentes. Acompanhei mais de 700 casos e ninguém manifestou o desejo de ficar dependente de substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool e/ou ilícitas. No Manual de Diagnostico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM- IV) a classificação utilizada, com base em critérios, no diagnóstico é designado de Perturbação Relacionadas com as Substâncias e Dependência de Substâncias.

Com o devido respeito pelas instituições existentes e aos profissionais dedicados, Portugal está atrasado duas décadas, na prevenção, na intervenção, no tratamento da Toxicodependência e Alcoolismo. Só muito recentemente se introduziu o conceito de Recuperação das Dependências, creio que ainda muitos profissionais utilizam este termo, mas não sabem o que isso significa na realidade.
 
Durante as últimas duas décadas utiliza-se o termo drogado, bêbado, viciado, “cura” e “curado”. Nas universidades portuguesas, publicas e privadas, de norte a sul do país ainda não existe qualquer tipo de investimento sério na educação e investigação nas Dependências da Adicção, vulgo Toxicodependência, assim como, no Alcoolismo. Como é que isso se explica quando sabemos que o abuso do álcool (consumo problemático) e o alcoolismo é um problema de saúde pública, em Portugal?
 
Há 20 anos que trabalho com psicólogos, uma parte significativa é unânime, quando afirma que aquilo que aprendeu na Universidade sobre a Dependência de Substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícita, vulgo Toxicodependência é insuficiente. Talvez seja por esta razão, que a maioria afirme, com legitimidade, “Trabalhar com drogados, viciados e/ou bêbados?! Não, obrigado. Só se for mesmo urgente.” Obviamente, que este tipo de afirmações, são compreensíveis, porque aquilo que aprendem não é apaixonante, interessante, motivador pelo contrario revelador de estigma, preconceito e estereotipo.

O flagelo das Dependências, as pessoas e as respectivas famílias, incluindo as crianças, não deviam merecer mais atenção pelas entidades competentes? A resposta para mim é óbvia, sim. Contudo, na realidade não é bem assim, infelizmente.

O conceito Comportamentos Adictivos (Adicção) é o mais actualizado, visto existir investigação (ex. universidades, profissionais), experiencia empírica (profissionais e grupos de ajuda mutua) e uma cultura de recuperação das Dependências em vários países, como os EUA e Reino Unido. Gostaria de salientar que alguns grupos de ajuda-mútua dos 12 Passos, com imensa experiencia de dezenas de anos, por ex. os Alcoólicos Anónimos existem em Portugal desde 1978. Nos EUA e em Inglaterra gastam-se milhões de dólares em investigação, na prevenção, no tratamento de forma a promover a recuperação das Dependências. Em Portugal, existe a luta contra as drogas ilícitas creio que o povo português não se revê nessa campanha política.

É uma prioridade a sensibilização das comunidades e das pessoas em relação à prevenção, ao tratamento e à recuperação. Do que é que estamos à espera para aderir a este movimento da recuperação dos Comportamentos Adictivos, em Portugal? Vamos lutar contra o estigma, a negação e a vergonha associado às Dependências. Será que aquilo que está a impedir é um problema de orgulho profissional e/ou político? Em Portugal, O fenómeno quanto à prevenção e ao tratamento das Dependências é semelhante aos problemas encontrados no resto do mundo. Na realidade, a Adicção é uma doença altamente complexa, difícil de diagnóstico, de tratamento, agravado graças ao desenvolvimento e ao progresso através da procura das drogas que supera a oferta. O consumo das drogas, lícitas incluindo o álcool, e as ilícitas, alteradoras do humor tornaram-se parte activa do acto social associado ao lazer e ao bem-estar (cultura) em Portugal. As drogas lícitas e ou ilícitas vieram para ficar, desde há varias gerações somos uma cultura que bebe.

“O Alcoolismo requer dois tipos de conhecimento: cientifico e experiência. Existem dois tipos de escolhas disponíveis - Dinâmica Integradora vs. Polarização Auto Destrutiva.” Daniel J. Anderson, Ph D, Antigo Presidente de Hazelden Foundation, EUA, 1954

 Os estudos, conferencias, a investigação actualizada nesta matéria refere que a Dependência das Drogas lícitas, incluindo o álcool, e as ilícitas como uma doença. Recentemente, a Associação Americana da Medicina da Adicção definiu a Dependência (bio- psico-social) das drogas como uma doença do cérebro (Adicção). Simplificando, as drogas psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas quando consumidas, com frequência, interferem e afectam negativamente o funcionamento e o desenvolvimento do cérebro. Alguns indivíduos estão mais vulneráveis, do que outros, à dependência, devido a factores biológicos-psicologicos e sociais. Um acto voluntario de um individuo no consumo de drogas lícitas e/ou ilícitas pode despoletar determinados mecanismos que conduzam à Dependência a médio e a longo prazo. Quando um indivíduo consome drogas, estas interferem na forma como pensa, sente e age. Cada caso um caso, não existem drogas leves ou duras. São todas drogas psicoactivas.

Ao contrário daquilo que a maioria das pessoas acredita um dependente de substâncias, lícitas incluindo o álcool, e/ou ilícitas, é um indivíduo valido e capaz de se responsabilizar e participar activamente na sua recuperação activa, na mudança de estilo de vida, se receber apoio profissional nesse sentido. Não pode ser encarado como uma vítima da sociedade ou incapacitado de gerir as suas competências e recursos (autonomia).

Para terminar sugeria, a todos os interessados, que substituam o desactualizado conceito toxicodependência e/ou toxicodependente (drogado, viciado, bêbado) por Adicção, Adicto/a, Alcoólico e Recuperação. Caso você deseje ser esclarecido sobre este tema pode enviar um email colocando as suas questões. Irei responder tão depressa quanto possível. Estou disponível para ajudar. Na Adicção, após a interrupção da progressão da doença Recuperar É Que Está A Dar.

 
 
Publicado por João Alexandre Rodrigues, Conselheiro de Comportamentos Adictivos (Addiction Counselor - Art of Counseling) desde 1993. Conselheiro Certificado em Abuso de Drogas e Álcool. Formação em Inglaterra (Farm Place e Broadway Lodge) e EUA (Hazelden Foundation).

http://recuperardasdependencias.blogs.sapo.pt/50713.html#cutid1

Alcoólicos Anônimos, Reflexões Diárias

19 de Dezembro de 2013

COMPREENDENDO A DOENÇA
 
Ao tratar um alcoólico você poderá ter um sentimento normal de aborrecimento por um homem ser tão fraco, grosseiro e irresponsável. Mesmo que compreenda melhor a doença, poderá surgir este sentimento.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p. 154

Tendo sofrido de alcoolismo, eu deveria entender a doença, mas às vezes sinto aborrecimento e até mesmo desprezo por uma pessoa que não consegue ir bem em A.A.. Quando me sinto desta maneira, satisfaço meu falso senso de superioridade e devo lembrar que se não fosse pela graça de Deus, lá estaria eu.
REFLEXÕES DIÁRIAS, p. 362

Fazendo o que falamos



Meditação diária, Narcóticos Anônimos

Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2013
Fazendo o que falamos

                              As palavras nada significam até que as coloquemos em ação

O Quinta-feira, 19 de Dezembro nos lembra de “praticarmos esses princípios em todas as nossas atividades”. Em NA temos exemplos vivos dessa sugestão à nossa volta. Os membros mais experientes, aqueles que parecem ter uma aura de paz os rodeando, demonstram as recompensas de terem aplicado este pouquinho de conhecimento em suas vidas.

Para receber as recompensas do Décimo-Segundo Passo, é vital que pratiquemos os princípios espirituais de recuperação, mesmo quando ninguém estiver olhando.
 
Se nas reuniões falamos de recuperação, mas continuamos a viver como fazíamos na época da adicção ativa, nossos companheiros pensarão que não estamos fazendo nada mais do que citar frases de pára-choque de caminhão.

O que passamos para membros mais novos procede mais de como vivemos do que daquilo que dizemos. Se aconselharmos alguém a “entregar-se” sem haver experimentado o milagre do Terceiro Passo, provavelmente a mensagem não atingirá os ouvidos do recém-chegado para quem ela foi dirigida. Por outro lado, se “fazemos o que falamos” e partilhamos nossa experiência genuína de recuperação, a mensagem certamente será evidente a todos.

Só por hoje: Praticarei os princípios de recuperação, mesmo quando sou o único a saber.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

REFLEXÃO DIÁRIA, ALCOÓLICOS ANÔNIMOS


SEGUNDA-FEIRA, 16 DE DEZEMBRO DE 2013 

PARCEIROS NA RECUPERAÇÃO


... não há nada melhor, para assegurar nossa imunidade contra a bebida, do que o trabalho intensivo com outros alcoólicos... Ambos, você e o novo homem, devem andar passo a passo no caminho de um Poder Superior e brevemente estará vivendo num novo e maravilhoso mundo, não importa qual seja sua situação atual.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

Fazer as coisas certas pelas razões certas - esta é a minha maneira de controlar meu egoísmo e meu auto-centrismo. Percebo que minha dependência de um Poder Superior limpa o caminho para a paz de espírito, a felicidade e a sobriedade.

Rezo todo o dia para evitar minhas antigas ações, a fim de que eu seja de utilidade para os outros.

NARCÓTICOS ANÔNIMOS, Meditação do Dia

SEGUNDA-FEIRA, 16 DE DEZEMBRO DE 2013

Onde há fumo...
"A complacência é inimiga daqueles membros já com algum tempo limpo. Se nos mantivermos complacentes por muito tempo, o processo de recuperação cessa." 
Texto Básico, p. 94

Reconhecer a complacência na nossa recuperação é como ver fumo numa sala. O "fumo" torna-se mais denso quando deixamos de ir tanto a reuniões, quando temos menos contacto com os recém-chegados, ou quando as relações com o nosso padrinho ou madrinha se tornam irregulares. Se a complacência se mantiver, não seremos capazes de avistar uma saída através do fumo. Só a nossa pronta resposta conseguirá impedir um incêndio. 

Temos de aprender a reconhecer o fumo da complacência. Em NA, temos toda a ajuda de que precisamos para isso. Precisamos de passar tempo com outros adictos em recuperação pois eles poderão detectar a nossa complacência antes de nós próprios. 

Os recém-chegados lembrar-nos-ão de quão dolorosa a adicção activa pode ser. O nosso padrinho ou madrinha ajudar-nos-á a manter focados, e termos literatura de recuperação a mão pode ajudar a extinguir as pequenas chamas que de vez em quando se ateiam. A participação regular na nossa recuperação certamente que nos permitirá ver aquele pequeno fio de fumo muito antes de ele se tornar num gigantesco incêndio.

Só por hoje: Vou participar em todas as áreas da minha recuperação. O meu compromisso para com NA é tão forte hoje como o foi no início da minha recuperação.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

REFLEXÃO DIÁRIA, Alcoólicos Anônimos


PENSANDO NOS OUTROS

13 de dezembro de 2013

Nossas próprias vidas, como ex-bebedores problema, dependem de nossa constante preocupação com o próximo e da maneira em que possamos ser-lhe úteis.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p. 43

Pensar nos outros nunca foi uma coisa fácil para mim. Mesmo quando tento praticar o programa de A.A. sou propenso a pensar: "Como me sinto hoje? Estou feliz, alegre e livre?".

O programa me diz que meus pensamentos devem alcançar aqueles que estão à minha volta: "Este novato deseja alguém com quem falar?". "Esta pessoa parece um pouco infeliz hoje, talvez eu possa animá-la". É somente quando esqueço meus problemas e me esforço para contribuir com alguma coisa para os outros, que posso começar a alcançar a serenidade e consciência de Deus que procuro.
REFLEXÕES DIÁRIAS, p. 356

Ser membro - Meditações diárias do NA



Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2013

Há somente um requisito para ser membro, o desejo de parar e usar. Todos nós conhecemos pessoas que poderiam se beneficiar de Narcóticos Anônimos. Muitas pessoas que encontramos pela vida afora – membros de nossa família, velhos amigos, colegas de trabalho – poderiam realmente usar o programa de recuperação em suas vidas. Infelizmente, aqueles que precisam de nós nem sempre encontram seu caminho para nossas salas.

NA é um programa de atração, não de promoção. Somente somos membros quando dizemos que somos. Podemos trazer nossos amigos e pessoas queridas a uma reunião se elas desejarem, mas não podemos forçá-las a abraçar o modo de vida que nos libertou da adicção ativa.

Ser membro de Narcóticos Anônimos é uma decisão altamente pessoal. A escolha de tornar-se membro é feita no coração de cada adicto individualmente. Ao longo do tempo, a freqüência forçada de reuniões não mantém muitos adictos em nossas salas. Só os adictos que ainda sofrem podem decidir se são impotentes perante sua adicção, se houver oportunidade. Podemos levar a mensagem, mas não podemos levar o adicto.

Só por hoje

Sou agradecido pela minha decisão de me tornar membro de Narcóticos Anônimos.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Mudando de rumo


Venho me mantendo em silêncio, na quietude da alma, com a serenidade das marés, quando amanhecer é calmaria. Gosto de música. Sou eclético e seletivo. Ao conhecer os doze passos comecei a mudar de vida. O medo de mudanças, principalmente as sociais, são objeto de estudo da sociologia. 

O meu medo de mudar, muitas vezes nascia da insegurança de tudo que me era desconhecido.  De tudo o que se anunciava como sendo novo, isso muitas vezes assusta. Qualquer que seja a mudança ela deve ser encarada com fé e o medo é, dentre outras coisas, falta de fé. 

Lembro aquela canção do Jota Quest, "O Sol", que me dá alento e meus males espantam, sempre que me vejo cantando a mesma, princialmente os versos que abaixo transcrevo:

"Ei, dor eu não te escuto mais
Você não me leva a nada.
Ei, medo eu não te escuto mais
Você não me leva a nada"

Meu caminho não é mais o caminho da dor, nem do medo, nem de andar pelas trevas, no mundo da obscuridade. O meu caminho é o caminho da verdade, da vida em busca da claridade que a luz do sol irradia.

Caetano Veloso foi muito feliz ao compor a canção "Luz do Sol", que derrama poesia retratando a fotossíntese.

Recordo que muitas vezes vivi o medo em minha adicção ativa e, lá um dia, disse a mim mesmo que para vencer o medo era preciso encara-lo de frente. Isso é tão real para mim. O falecido Jim Morrison disse algo parecido...

A vivência no mundo de quem vive nas trevas nos ensina isso. Uns aprendem, outros permanecem...

O medo e a dor, a dor e o medo, parecem estar sempre associados e, confesso que cansei. Entrei em estado de exaustão.

O caminho agora é o da coragem de mudar, que a oração da serenidade me ensina e encoraja e que só carece da minha boa vontade para mudar. Meu PS horizontal e vertical me auxiliam nessa nova jornada. E, para finalizar, canto versos dos Titãs, "Os Cegos do Castelo": 

"Eu não quero mais mentir
Usar espinhos
Que só causam dor
Eu não enxergo mais o inferno
Que me atraiu
Dos cegos do castelo
Me despeço e vou
A pé até encontrar
Um caminho, um lugar
Pro que eu sou

Eu não quero mais dormir
De olhos abertos
Me esquenta o sol
Eu não espero que um revólver
Venha explodir
Na minha testa se anunciou
A pé a fé devagar
Foge o destino do azar
Que restou

E se você puder me olhar
Se você quiser me achar
E se você trouxer o seu lar

Eu vou cuidar
Eu cuidarei dele" 
(...)

Cansei dos espinhos que só causam dor. Chegou o momento de mudar meu rumo!
SPH

Meditação Diária, Narcóticos Anônimos

Quinta-feira,12 de dezembro de 2013

Medo de Mudança

"Trabalhando os passos, chegamos a aceitar a vontade de um Poder Superior... Perdemos o nosso medo do desconhecido. Somos libertados."
Texto Básico, p. 17

A vida é uma série de mudanças, pequenas e grandes. Embora possamos saber e aceitar esse fato intelectualmente, é provável que nossa primeira reação emocional à mudança seja o medo. Por alguma razão, presumimos que toda mudança machuca, nos fazendo sofrer.

Se pensarmos nas mudanças que aconteceram em nossas vidas no passado, veremos que a maioria delas foi para melhor. Estávamos provavelmente muito amedrontados com a perspectiva da vida sem drogas; no entanto, essa é a melhor coisa que já nos aconteceu. Talvez tenhamos perdido um emprego que pensávamos ser vital para nós, porém, mais tarde encontramos um desafio maior e maior satisfação pessoal em uma nova carreira. À medida que prosseguimos nos aventurando em nossa recuperação, provavelmente experimentaremos mais mudanças. Superaremos velhas situações e estaremos prontos para novas.

Com todos os tipos de mudança acontecendo, é natural nos agarrarmos a alguma coisa, qualquer coisa conhecida, e tentar nos segurar a ela. Encontraremos conforto num Poder maior que nós mesmos. Quanto mais permitirmos mudanças acontecerem sob orientação do nosso Poder Superior, mais confiança teremos de que essas mudanças serão para melhor. A fé substituirá o medo, e em nossos corações saberemos que tudo estará bem.

Só por Hoje: Quando eu tiver medo de alguma mudança em minha vida, me confortarei por saber que o desejo de Deus para mim é bom.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Meditação Diária, Narcóticos Anônimos




Meditação Diária


Quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Sofrimento é opcional

"Ninguém está nos forçando a desistir de nossa miséria."
Texto Básico, pág. 31

É engraçado lembrar como relutamos em nos render à recuperação. Parecíamos pensar que tínhamos vidas maravilhosas como adictos na ativa e que abandonar as drogas seria pior do que cumprir sentença de trabalhos forçados para o resto da vida. Na realidade, o oposto era verdade: nossas vidas eram miseráveis, mas tínhamos medo de trocar aquele sofrimento que nos era familiar pelas incertezas da recuperação.

É possível também sofrer em recuperação, embora não seja necessário. Ninguém nos forçará a praticar os passos, ir às reuniões ou trabalhar com um padrinho. Não há patrulha em NA que nos forçará a fazer as coisas que nos aliviarão a dor. Mas nós temos uma escolha. Já escolhemos desistir da miséria da adicção ativa pela sanidade da recuperação. Agora, se nós estivermos prontos para trocar o sofrimento de hoje por uma paz ainda maior, temos condições de fazer exatamente isso. Basta realmente querer.

Só por Hoje: Eu não preciso sofrer, a não ser que eu realmente queira. Hoje, trocarei meu sofrimento pelos benefícios da recuperação.



Reflexões Diárias - Alcoólicos Anônimos

 
Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2013

UMA GENUÍNA HUMILDADE

... que devemos conduzir-nos com genuína humildade. Isto para que nossas grandes bênçãos jamais nos estraguem; para que vivamos eternamente em grata contemplação d’Aquele que reina sobre todos nós.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, p. 178


A experiência me ensinou que minha personalidade alcoólica tem tendência para o grandioso. Mesmo que tiver, aparentemente boas intenções, posso sair pela tangente atrás de minhas “causas”. Meu ego toma conta e perco de vista o meu propósito primeiro. Posso até tomar o crédito pela obra de Deus em minha vida. Esse sentimento exagerado de minha própria importância é perigoso para a minha sobriedade e pode causar grande dano a A.A.  como um todo.

Minha salvaguarda, a Décima Segunda Tradição, serve para manter-me humilde. Percebo, tanto como um indivíduo,como um membro da Irmandade, que não posso me gabar de minhas façanhas, e que “Deus faz por nós o que não podemos fazer por nós mesmos”.
REFLEXÕES DIÁRIAS, p. 354
Crédito: AA - Piauí

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Meditação do Dia - Narcóticos Anônimos


Terça-feira, 10 DE DEZEMBRO DE 2013

Vencedores

"Comecei a imitar algumas das coisas que os vencedores faziam. Fiquei apanhado por NA. Sentia-me bem ..." 
Basic Text, p. 223 (livro 2 inglês) 

Por vezes ouvimos dizer nas reuniões para nos juntarmos "aos vencedores". Quem são os vencedores em Narcóticos Anônimos? Os vencedores são facilmente identificáveis. Praticam ativamente um programa de recuperação, vivendo a solução e mantendo-se fora do problema. 

Os vencedores estão sempre prontos a dar a sua mão ao recém-chegado. Têm padrinho ou madrinha e trabalham com eles. os vencedores mantêm-se limpos, só por hoje. Os vencedores são adictos em recuperação que mantêm um espírito positivo. Podem estar a atravessar momentos difíceis, mas não deixam de ir a reuniões e a partilhar abertamente sobre isso. 

Os vencedores sabem bem que, com a ajuda de um Poder Superior, nada irá acontecer que seja demasiado para se lidar. 

Os vencedores contribuem para a unidade nos seus esforços de serviço. Os vencedores colocam "os princípios acima das personalidades". 

Os vencedores recordam o princípio do anonimato, praticando os princípios não importa quem esteja envolvido. 

Os vencedores mantêm um sentido de humor. Os vencedores têm a capacidade de se rir de si próprios. E quando os vencedores se riem, riem connosco, e não de nós. 

Quem são os vencedores em Narcóticos Anônimos? Qualquer um de nós pode ser considerado um vencedor. 

Todos nós exibimos alguns dos traços que definem um vencedor; por vezes estamos muito perto do ideal, outras vezes não. 

Se estivermos limpos hoje e a praticar o programa o melhor que saibamos, nós somos vencedores! 

Só por hoje: Vou esforçar-me por cumprir os meus ideais. Vou ser um vencedor.


Crédito: NA - Portugal

domingo, 8 de dezembro de 2013

Reflexões Diárias, Alcoólicos Anônimos


Domingo, 08 de Dezembro de 2013

SERVIÇO

A vida terá um novo significado. Observar as pessoas se recuperarem, vê-las ajudar aos outros, ver desaparecer a solidão, ver uma Irmandade crescer ao seu redor, ter uma multidão de amigos – eis a experiência que não se deve perder. ... O contato freqüente com os ingressantes e os outros membros é a parte resplandecente das nossas vidas.
ALCOÓLICOS ANÔNIMOS, 
p. 109

É através do serviço que as maiores recompensas são encontradas. Mas para estar em posição de oferecer verdadeiro, útil e eficaz serviço aos outros, devo primeiro trabalhar em mim mesmo. Isso significa que tenho que me entregar nas mãos de Deus, admitindo minhas faltas e limpando as ruínas do meu passado. Trabalhar em mim mesmo me ensinou como encontrar a paz e a serenidade necessárias para unir com sucesso inspiração e experiência. Aprendi como ser, no verdadeiro sentido, um canal aberto de sobriedade.
REFLEXÕES DIÁRIAS, p. 351

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...