terça-feira, 4 de maio de 2010

Crack: depoimentos dramáticos de ex-viciados



Minha intenção ao reproduzir cartas e depoimentos e textos neste blog não é de me apropriar de nada, o meu objetivo é elastecer a malha que se constrói no mundo inteiro para uma nova consciência da questão das drogas e os maleficios que as mesmas causam aos usuários. 
É importante lermos estes depoimentos, como é importante citarmos a fonte de onde o colhemos. 
Se multiplicarmos a teia anti-drogas e conseguirmos atingir um número muito maior de pessoas, sem nos determos a faixas etárias, grupos sociais, étinicos, religiosos e políticos, estaremos ampliando o horizonte, mais otimista, para quem quer vencer a prolifração de drogas e a autodestruição que está em curso crescente, na atualidade.

Drogas como o crack já chegou a classe alta e não se restringe mais à classe média. 

Esta droga diabólica é o "beijo da morte" e só os que a utilizaram podem revelar como é a vida de um viciado em crack, a pior das drogas, no momento. 
Estão surgindo outras novas drogas, não se iludam, mais letais que estas que levam pessoas ingênuas, curiosas muitas vezes, a experimentar e a partir daí transformar-se em um prisioneiro, fisgado que foi, caindo numa armadilha infernal. 
Então ler o que as pessoas que usaram esta droga e outras, com menor poder de viciar e causar dependência química, é importante. 

Assim sendo, passo a transcrever o que pude coletar no site 


que recomendo seja visitado e lido. E que propaguem as idéias corretamente sem cair nos equívocos de propagandas anti-cientificas, como acontece na Bahia. Certas propagandas só ajudam a aumentar o número de vítimas dessa droga infernal, além de fomentar um aumento da violência. Então vamos lá:

 
Drogas





Confissões de quem
saiu do inferno
O crack, antes usado apenas por marginais e menores
de rua, agora chega à classe média. 
Depoimentos
dramáticos dos que conseguiram abandonar o vício

Leandro Narloch

 




                                                                                


 O CRACK
Ao chegar ao Brasil, no começo dos anos 90, o crack se tornou um flagelo entre marginais, mendigos e menores de rua. São esses os personagens que aparecem deitados nas calçadas, como molambos, nas cracolândias que floresceram em áreas degradadas das grandes cidades. 

Como custa pouco, menos de 5 reais a dose, a droga disseminou-se entre os desvalidos. 

Agora, a sedução perversa do crack começa a fazer vítimas também na classe média. Lastimavelmente, esta realidade talvez tenha sido o elemento motivador da luta que ora se empreende no combate efetivo a esta droga tão devastadora.
   
O consumo do crack entre a população mais abastada ainda não transparece nas pesquisas dos órgãos de saúde porque, na tabulação dos dados, ele está quase sempre na mesma classificação da cocaína, da qual é uma versão inferior e mais tóxica. Mas, na avaliação dos médicos que cuidam dos viciados em drogas nos hospitais e clínicas de recuperação, tanto públicas quanto particulares, não há dúvida de que o crack subiu degraus na escala social. 

O contingente de pessoas que usam crack no país ainda é bem menor do que aquele que usa maconha ou cocaína. Mas as pequenas pedras brancas têm um efeito tão devastador, e viciam tão rapidamente, que em muitas instituições já respondem pela maioria das internações de pacientes.

"O crack está por trás de 80% das nossas internações", diz o psiquiatra Marcelo Machado, do centro Recanto Paz, em Pernambuco, onde o tratamento de seis meses custa 8 000 reais. "Estudantes de faculdades particulares, advogados, publicitários e até médicos são as novas vítimas dessa substância", afirma o médico Luiz Alberto Chaves de Oliveira, presidente do Conselho de Drogas e Álcool de São Paulo e diretor da clínica Vitória, em Embu, na Grande São Paulo, que cobra em média 9.000 reais por mês por uma internação. 

A seção gaúcha da Organização Amor-Exigente, uma rede de 500 grupos espalhados pelo país que dá apoio a famílias de dependentes, contabiliza que, em 2003, o crack representava 25% dos pedidos de ajuda entre álcool, cocaína e maconha. Hoje, ele está por trás de 73% dos chamados. 

No Centro Terapêutico Viva, um dos maiores do interior de São Paulo, localizado em Piedade (14.000 reais por quatro meses de tratamento), os pacientes devastados pelo crack chegam a 95% dos internos.

O crack é a cocaína em forma de pedra, feita para fumar em cachimbos. 

Os traficantes misturam a droga com outras substâncias, como o bicarbonato de sódio. "Para aumentarem o volume, adicionam também cal e anestésicos como a lidocaína", informa o delegado Luiz Carlos Magno, do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) de São Paulo. A mistura é fervida e depois filtrada, transformando-se em pequenas pedras brancas do tamanho de uma pipoca. 

Quando queimada num cachimbo, a pedra emite pequenos estalos – daí o nome "crack". Ao ser fumada, a droga atinge os pulmões e entra na corrente sanguínea instantaneamente, chegando ao cérebro em poucos segundos – ao contrário da cocaína em pó, que leva cerca de dez minutos para fazer o trajeto. O efeito também é muito mais forte. 

O crack bloqueia a absorção natural da dopamina, o neurotransmissor que dispara no cérebro a sensação de prazer. Com excesso da substância entre os neurônios, surge uma sensação imensa de euforia e onipotência. Quando o efeito passa, vem a depressão – e, com o uso freqüente, as reações paranóicas. Como a dopamina é o principal regulador do sistema de prazer e recompensa, o crack vicia rapidamente.

Para quem tem dinheiro no bolso, o crack é ainda mais perigoso. São comuns os casos de viciados que pagam a droga com bens roubados da família ou forçam os pais a pagar suas dívidas com os traficantes alegando que correm risco de vida. 

Muitas vezes, quando as fontes que financiam a droga secam, o viciado recorre a outras práticas ilícitas. "Eu, que sempre estudei em colégios particulares, de repente me vi assaltando com uma faca na mão para comprar pedras", diz o estudante de marketing L., 21 anos, de Fortaleza, livre do vício há um ano e dois meses. "O mais impressionante é que, ao assaltar, não pensava estar fazendo algo errado. Lutar para conseguir pedras parecia tão natural e correto como procurar comida para saciar a fome", ele completa.

Sob o domínio do crack, muitos viciados se isolam e viram – mesmo que temporariamente – indigentes. Ao contrário do que ocorre com a maconha ou a cocaína, o crack torna impossível manter relações com o círculo de amigos, no trabalho ou em casa. 

A degradação se dá em poucas semanas. Primeiro, o viciado emagrece rápido, já que a cocaína inibe o apetite e provoca náuseas diante da comida. Depois, passa dias sem dormir e perde até mesmo a vontade de tomar banho. Esquece-se de que existem horários e regras. 

Como o crack age como anestésico, queimam-se a boca e o nariz ao fumar, sem que se perceba. "É comum que as mulheres dependentes se prostituam por qualquer valor só para comprar as pedras, contraindo doenças sexuais rapidamente", diz a médica Solange Nappo, professora de psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que estudou as práticas de oitenta viciadas em crack de São Paulo. 

Um levantamento da Universidade Estadual de Campinas, feito no ano passado, mostrou que 7% dos usuários de crack têm o vírus HIV – índice dez vezes maior que o da população em geral.

"É verdade que o crack é a droga preferida de mendigos e prostitutas, mas isso acontece também porque ele transforma estudantes e trabalhadores comuns em mendigos e prostitutas", afirma Solange.

À medida que o consumo de crack progride, chega a fase das reações paranóicas. O viciado acha que está sendo perseguido e tem pensamentos obsessivos – vem daí o apelido de "nóias" que esses dependentes carregam. 

Quando passou por isso, a estudante paulista de psicologia M., 31 anos, livre da droga há três, não conseguia manter as janelas de casa abertas. Diz ela: "Eu realmente achava que estavam me espionando pela janela ou pelas frestas da porta. Também ouvia sirenes da polícia e passava horas rastejando, procurando no chão e no meu carro algum resto de pedra que pensava ter derrubado". 

Com sentimentos psicóticos, os viciados se tornam mais desconfiados e se enfurecem com maior facilidade, protagonizando cenas de violência gratuita. 

Passada a depressão que se segue à paranóia, chega o melhor momento de largar o vício. 

"Quando me vi na favela, sem pedras e depois de ter vendido até os brinquedos do meu filho para comprar crack, saí correndo para a casa da minha mulher. Corri uns 10 quilômetros descalço, com bolhas no pé, e disse a ela que precisava de ajuda", conta F., corretor de imóveis de Belo Horizonte, que passou três anos consumindo a droga.

A dependência química é uma enfermidade reconhecida pela Organização Mundial de Saúde. 

Ainda não há tratamentos ou remédios que impeçam que o dependente tenha recaídas. 

Nas clínicas, o viciado geralmente toma antidepressivos ou ansiolíticos e passa por sessões de auto-ajuda para que consiga escapar da "fissura", a vontade de voltar à droga. 

"Em média, apenas 30% dos dependentes de crack permanecem na abstinência por mais de um ano", calcula o psiquiatra André Malbergier, do Hospital das Clínicas de São Paulo. 

A internação, pelo menos, afasta o viciado dos pontos de compra de crack e alivia temporariamente o tormento constante pelo qual passam seus familiares. 

Nos centros de internação involuntária, como o paulista Viva, de Piedade, muitas vezes os dependentes chegam amarrados – último recurso usado pela família para conduzi-los ao tratamento. Como numa prisão, agentes de segurança vigiam portões e muros de 4 metros de altura.

Os jovens que conseguem sair do vício são os que percebem que estão muito doentes e têm de se tratar. 

"O viciado já dá um passo à frente quando sabe que precisa de ajuda", diz a médica Cláudia de Oliveira Soares, que lida com dependentes químicos há catorze anos. 

A força de vontade e o apoio familiar são essenciais quando o dependente volta para casa. Diz o dentista C., de São Paulo, livre da droga há três anos: "Durante oito ou nove meses, não passei um minuto sozinho. Percebi que precisava dos outros e ainda preciso. Um dia você decide se livrar do crack, mas permanece dependente a vida toda. O pesadelo do crack não tem fim".

 







Apagão ao volante

"A ficha caiu quando sofri um acidente de carro. Estava virada, sem dormir, fazia quatro dias. Peguei o carro para ir comprar crack, mas não andei nem 100 metros e sofri um apagão. Dormi ao volante. Fiquei cinqüenta dias com os dois braços enfaixados e o rosto cheio de feridas por causa dos estilhaços do vidro. Já havia sido internada algumas vezes, mas sempre soube que voltaria à droga. Fazia meus pais pagar minhas dívidas dizendo que, do contrário, seria morta pelos traficantes. Em troca, eu ficava um tempo na clínica de recuperação. De uma delas, fugi pulando o portão. Com o acidente, percebi que tinha de me livrar daquilo. Agora estudo, luto para recuperar a guarda dos meus filhos e quero montar um grupo de apoio só para mulheres dependentes. Elas precisam perder o medo de procurar ajuda."
M., 31 anos, estudante de psicologia de São Paulo, livre do crack desde 2005

 






O salário virou fumaça

"Ainda hoje tenho pesadelos nos quais estou fumando crack. Acordo assustado e com raiva de mim mesmo. Não quero passar por aquilo de novo. Na fase pior, gastava todo o meu salário com a droga. Eu, que sempre ganhei tudo do bom e do melhor de meus pais, cheguei a roubar as coisas de casa para fumar crack. Vendi até Tupperware em troca de pedras. Quando meu pai disse que não me queria mais em casa, decidi pedir ajuda. Fiquei mais de um ano numa clínica de recuperação. Nesse tempo, percebi que o meu maior vício não eram as drogas, e sim pensar só em mim. Para me livrar do crack, tive de virar outra pessoa. Hoje, penso que o meu crescimento pessoal só é relevante se eu ajudar os outros a crescer. Consegui, assim, voltar para a casa dos meus pais, para o meu trabalho e estou namorando firme. Aos poucos, reponho os aparelhos eletrônicos que tirei de casa."
Fabio Bakun Nóbrega de Albuquerque, representante comercial do Recife, 29 anos, em abstinência desde 2006.

M., 31 anos, estudante de psicologia de São Paulo, livre do crack desde 2005

 




Choro e desespero

"O conjunto de som e DVD do meu carro valia 7 000 reais. Um dia, troquei-o por 300 reais de crack. Como minha família é de classe média alta, não precisei fazer dívidas quando me enterrei nessa droga, mas roubei CDs, filmadora, todos os eletrônicos de casa. Quando você está louco de crack, não se importa com nada disso. O que importava era sair correndo para comprar pedra. Até essa época, eu nunca tinha visto meu pai chorar. Uma noite, quando cheguei transtornado em casa, ele me chamou num canto e desabou no choro. Perguntava: ‘O que eu preciso fazer pra você parar com isso?’. Foi ali que decidi parar de usar crack. Tive de romper com todos os amigos que me levavam à droga e passei quase um ano inteiro indo à faculdade e voltando para casa sem olhar para os lados. Hoje, eu e meu pai, que também é dentista, trabalhamos juntos no mesmo consultório."
C., dentista de São Paulo, 25 anos, livre da droga há três

Sem droga e sem crédito
"Meu sonho sempre foi trabalhar na empresa do meu pai, uma metalúrgica no interior de São Paulo que ele fundou há quarenta anos. Mas, quando cursava a faculdade de administração, comecei a cheirar muita cocaína. Ao conhecer o crack, foi amor à primeira vista. Quando minha família começou a controlar meu dinheiro, evitando que eu comprasse mais cocaína, decidi partir para o crack. No início, tinha medo de ficar como os mendigos que aparecem na televisão. Misturava crack com maconha pensando que assim o cigarro ficaria mais fraco. Um mês depois, já estava na droga pura. Como meu pai tinha crédito na cidade e todos me conheciam, conseguia dinheiro com facilidade. Quando perdi o crédito, me bateu um desespero e aceitei ser internado. Desde então, venho tentando largar a droga, mas com recaídas. A última foi há seis meses. Independentemente de quantos tombos a droga me deu, preciso me levantar e tentar de novo."
Thiago Pires de Camargo, administrador de empresas de Santa Bárbara d’Oeste (SP), 30 anos, longe do crack há seis meses.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

soporhoje10@gmail.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...